os dias de norma jean

Ícone de Hollywood e sex symbol da década de 50, Marilyn Monroe nasceu em Los Angeles a 1 de Junho de 1926 como Norma Jean Mortensen. Resgatada de uma vida de pobreza e miséria, Norma Jean vislumbra as primeiras centelhas da ascensão ao estrelato quando, depois de pintar o cabelo de louro platinado, começa a trabalhar como modelo pinup para uma empresa de fatos de banho...

terça-feira, outubro 31, 2006

Aparências

Imaginários construídos ao sabor das vontades: o colapso da realidade.

Foto: “Selfportrait” (Alex)

sábado, outubro 28, 2006

Depois de ti

Eu disse: quando o sol de Outubro atravessar estas árvores já não estarás dentro de mim. Aí estás agora: do outro lado do espelho, como um holograma envelhecido e ridículo. Cá dentro ficou a consciência do impossível e o vazio… das palavras, dos sorrisos, do prazer. O silêncio da terra fumegante depois da queimada - os pássaros alvoroçados sem destino. Abomino esta sepultura de memórias! Quero rasgar as vestes negras da apatia. Ficar despida. Pronta para a Primavera que há-de vir. Foto: “Árvores das Virtudes” (Alex)

sexta-feira, outubro 27, 2006

E ao anoitecer

e ao anoitecer adquires nome de ilha ou de vulcão
deixas viver sobre a pele uma criança de lume
e na fria lava da noite ensinas ao corpo
a paciência o amor o abandono das palavras
o silêncio
e a difícil arte da melancolia

Al Berto, “E ao anoitecer”. Foto: Jeff Bark

domingo, outubro 22, 2006

É preciso lembrar...

Se vivemos numa democracia (bem haja!) e a liberdade de opinião é sempre positiva e legítima, também é certo que já não há paciência para a conversa de quem condena os Estados Unidos por tudo e mais alguma coisa. É uma espécie de moda, de código social ou manifestação de ignorância pura? As últimas manifestações deixaram-me de boca aberta. Do género… “foram eles que de provocaram o 11 de Setembro…” (!!??) ou “falam dos testes nucleares da Coreia do Norte, mas eles são piores…” ou outra já com barbas “eles querem mas é o petróleo”. Bem sei que quem tem poder é um alvo fácil, mas quem é que disse que os EUA é um país mais inócuo que qualquer outro? Quem compara a actuação da Coreia do Norte aos EUA está um pouco desfasado da realidade. Quanto ao 11 de Setembro, não sei mas, quanto mais não seja, assistimos - se bem se lembram – a uma reivindicação por parte da al-Qaeda… Gostando ou não da actuação americana, convém não esquecer, que foi graças à intervenção dos EUA que a II Guerra Mundial chegou ao fim e foi através do Plano Marshall que a Europa se ergueu das cinzas. Foram também eles que alimentaram a Guerra Fria, impedindo o domínio da então U.R.S.S. O poderio económico e militar dos EUA é incontestável, mas o que denuncia a sua genialidade é precisamente o domínio cultural, conseguido em grande parte, graças à exportação do “american way of life” através de Hollywood. Quantos de nós estarão à margem deste estilo de vida? Quantos não usam veículos automóveis, não comem pizza, hamburgeres ou bebem Coca-cola, não vestem jeans, não têm telefone/telemóvel, tv, computador, Internet, etc, etc? Os americanos reúnem a força, a inteligência e o espírito prático de uma jovem nação constituída por povos dos cinco continentes. Na terra do tio Sam dizem que tudo é possível… uma crença que o Velho Continente parece ter perdido há muito. Já agora, sabiam que 8 das 10 melhores universidades do mundo são americanas? Foto: Fotografia no Museu Edison & Ford Winter Estates (casas de férias de Inverno do Edison e do Henry Ford - eram vizinhos, na Flórida)

sábado, outubro 21, 2006

More than this

Abençoado regresso das Electrelane... mesmo que com um álbum de Singles, B-Sides & Live. Surpresa!...uma deliciosa versão, ao vivo, do mítico do "More Than This" de Bryan Ferry+Roxy Music. E assim começa o sábado...

sexta-feira, outubro 20, 2006

Happy?

A ideia parece americana, mas foram os franceses que criaram um perfume capaz de acabar com todas as depressões e más disposições. Chama-se Smiley e conjuga duas substâncias presentes também no chocolate: a feniletilanina e teobromida, que bloqueia os receptores de adrenalina atenuando os sintomas do stress. As notas de fundo são patcholi, mirtilo e musk, o coração de chocolate e as notas de topo são bergamota, laranja e pimenta. O design da linha foi concebido pelo francês Ora Ïto e não é à toa que a imagem nos lembra um medicamento. Quem quiser experimentar tem que ir a uma das lojas Sephora ou à Collete, em Paris. Se o desespero for muito é só mandar vir aqui. Imaginem como seria se esta fórmula resultasse...

segunda-feira, outubro 16, 2006

Viana

Este sábado foi um daqueles dias, não muito comuns, em que o sol parece invadir-nos de felicidade. Quando acordei estava no meu quarto de adolescente, na terra mais bonita do mundo…Olhei pela janela e o dia estava radioso…podia ser Outono, podia ser Primavera… apressei-me a tomar banho, vesti-me e fui ao encontro dos velhos recantos que fizeram a minha história… um reencontro que é sempre um bálsamo para o espírito.

quarta-feira, outubro 11, 2006

Silêncio!

Nos dias que correm, o silêncio é um dos meus bens mais preciosos. De manhã à noite sou assaltada por um sem fim de ruídos das mais diversas proveniências: música que não apetece ouvir, buzinas, motores, gritos estridentes de crianças e adolescentes que “brincam” na rua, sinfonias de toques polifónicos de todas das formas e feitios, máquinas de lavar, de secar, de triturar, de aspirar, vizinhos que discutem ou fazem amor…mesmo isolada nos exercícios de respiração não estou a salvo. Os decibéis atravessam as colmeias em que a maior parte de nós habita. O máximo suportado pelo ser humano são 130Db, apenas mais 10 Db do que os emitidos por uma buzina ou martelo pneumático. A partir daqui, a dor instala-se. Tão grave como a intensidade dos ruídos é a frequência com que estes invadem a atmosfera, impedindo o sistema auditivo e psicossomático de restabelecer o equilíbrio. Se há quem já não passe sem esta BSO do caos, outros há, como eu, que pouco se identificam com esta imperfeição urbana. Antes que nos tornemos mais surdos e mais desequilibrados, será bom pensarmos duas vezes sempre que nos aproximarmos do botão do volume, da buzina do carro ou enchermos os pulmões para berrar: “Silêncio!” Tudo isto, ao som de mais um golpe: a BSO de “Kids”. Sinceramente, o marulhar do rio era mais bem-vindo. A natureza chama-me e eu quero partir. Foto: “Silêncio” (Alex)

segunda-feira, outubro 09, 2006

lost

O tempo não sabe nada, o tempo não tem razão O tempo nunca existiu, o tempo é nossa invenção Se abandonarmos as horas não nos sentimos sós Meu amor, o tempo somos nós O espaço tem o volume da imaginação Além do nosso horizonte existe outra dimensão O espaço foi construído sem princípio nem fim Meu amor, huuum, tu cabes dentro de mim O meu tesouro és tu Eternamente tu Não há passos divergentes para quem se quer Encontrar A nossa história começa na total escuridão Onde o mistério ultrapassa a nossa compreensão A nossa história é o esforço para alcançar a luz Meu amor, o impossível seduz O meu tesouro és tu Eternamente tu Não há passos divergentes para quem se quer Encontrar O meu tesouro és tu Eternamente tu Eternamente tu Jorge Palma (“Eternamente tu”) Foto: Laurent Ziegler

terça-feira, outubro 03, 2006

Fantasia

Depois de vários dias mergulhada em territórios de fantasia (ver revista ATTITUDE, nas bancas no início de Novembro), não houve paciência nem tempo para escutar os meus próprios devaneios. A minha mãe diz que o trabalho faz bem! Porque é que tens quase sempre razão? Foto: Alex (Série 4)